Pathovet quer popularizar biotecnologia no diagnóstico de doenças

Empresa pretende “levar o diagnóstico de doenças de peixe no Brasil a padrões internacionais”

A empresa chilena de biotecnologia Pathovet anunciou nesta segunda-feira (19) a chegada ao Brasil com o objetivo de aumentar a popularização da aplicação de biotecnologia na aquicultura, principalmente na criação de tilápias.

De acordo com o responsável pela operação no Brasil, o médico-veterinário Miguel Fernandez, a empresa pretende “levar o diagnóstico de doenças de peixe no Brasil a padrões internacionais”, conforme relatou à Seafood Brasil.

O laboratório fará a detecção de patógenos e definição de indicadores biológicos observados nos peixes durante a interação com o entorno e com os agentes causadores de doenças.

Entre as tecnologias aplicadas, a empresa afirma que terá à disposição, em curto prazo, análises de reação em cadeia da polimerase (PCR), além de histologia e microbiologia. Já em médio prazo, terão hematologia, bioquímica sanguínea, genômica e proteômica funcional para a avaliação da resposta fisiopatológica dos peixes.

A Pathovet afirmou ainda em comunicado que a entrada da empresa no País implica também na chegada de um investimento de US$ 500 mil, destinados ao aprimoramento do diagnóstico sanitário em tilápias.

A filial brasileira começará a operar em novembro em Ribeirão Preto (SP), oferecendo inicialmente serviços de diagnóstico laboratorial para detecção de patógenos, além de indicadores biológicos quantitativos e preditivos relacrelacionados à resposta dos peixes na interação com os patógenos e com o meio ambiente.

A Pathovet chega ao País após oito anos na indústria chilena do salmão. “Lideramos o processo de ampliar o foco do diagnóstico desde os patógenos até o desenvolvimento e aplicação de indicadores biológicos preditivos e quantitativos, que têm permitido a otimização do manejo sanitário das empresas produtoras, auxiliando-as na tomada de decisões”, comentou um de seus fundadores e diretor da empresa, Marco Rozas.